Album

A Sessão Sem Fim

A Sessão Sem Fim

Data de Lançamento : 5 / maio / 1994
  1. Coração Satânico
  2. Faça A Coisa Certa
  3. A Garota Da Motocicleta
  4. Nenhuma Conexão
  5. Um Bonde Chamado Desejo
  6. Tromba De Elefante
  7. Derrapando Na Curva Do Mundo
  8. Estranho No Ninho
  9. Drake’s Boogie
  10. O Último Pôr Do Sol

Letras

Coração Satânico

(Marcelo Nova)

O diabo tá solto mostrando o seu novo tridente
Ele está mais bonito e afiou o seu novo tridente
Pra fazer sangrar a alma de toda essa gente

O diabo tá solto passeando em seu Chevrolet
De terno e gravata ninguém desconfia quem é
Vai na igreja rezar, ele sabe que é preciso ter fé

O diabo tá solto mexendo a sua panela
E a gente prova o sabor sem saber que já está dentro dela

Em cada porta de casa os cães começaram a latir
O diabo tá solto e os surdos já podem ouvir
Ele vai dar em dobro tudo aquilo que você não pedir

O diabo tá solto cheio de boas e más intenções
Ele conserva o rabo mas empresta seus dois corações
Um pra minha descrença e o outro pras suas orações

É que o diabo tá solto mexendo a sua panela
E a gente prova o sabor sem saber que já está dentro dela

Nosso poço secou e as fezes se espalham no chão
Nosso passo mudou cem vezes, sem direção
Todo mundo perdido e ninguém mais presta atenção

O diabo tá torto e quanto mais solto melhor
O diabo tá solto e quanto mais torto pior
Pois quando desentorta cada vez o bicho fica maior

É que o diabo tá solto mexendo a sua panela
E a gente prova o sabor sem saber que já está dentro dela

O diabo tá solto já não dá pra calar sua voz
Da boca do inferno, o poder vem da sua voz
Boa noite, baby, e que Deus perdoe a todos nós

Faça A Coisa Certa

(Marcelo Nova)

Que coisa é essa que lhe arranca da cadeira
Lhe põe de pé e faz você partir
Mas que também lhe traz de volta e nessa volta
Você pergunta como é que pode ir

Que coisa é essa que não dá explicação
Nem sempre justa e quase sempre radical
Que toma e leva e foge pela contramão
Você não tem happy end no final

O café está frio, os papéis estão voando
A casa está deserta e ninguém mais sabe fazer a coisa certa

Que coisa faz você cumprir a sua sina
Que lhe ensina a sentir medo de tentar
Se é o acaso que lhe espera lá na esquina
E é com ele que você vai se tentar

Que coisa faz você queimar como um cometa?
Já lhe desperta antes mesmo de dormir
Que engole e suga como uma boceta
Espreme e prende pra lhe fazer explodir

O café está frio, os papéis estão voando
A casa está deserta e ninguém mais sabe fazer a coisa certa

Que coisa é essa que puxa o seu tapete
Quando você se prepara pra voar
Tão intensa e violenta quanto a vida
Tal qual a morte não se pode evitar

Que coisa é essa estampada em sua face
Não se assuste por não poder controlar
Pois o mal cheiro onde quer que a gente passe
Vem de um perfume que nós ainda vamos usar

O café está frio, os papéis estão voando
A casa está deserta e ninguém mais sabe fazer a coisa certa
E ninguém mais sabe fazer

A Garota Da Motocicleta

(Marcelo Nova)

Vejo as luzes dos seus olhos cada vez mais apagadas
Sinto a faca do rancor na sua língua afiada
E a tristeza no seu rosto tatuada

Mas me parece minha cara quando ficamos cara a cara
Que a verdade é presa rara, por mais lágrima que for
Travada como um rufo de tambor

E ao contrário do desejo como o avesso de nós dois
O tempo nunca volta nem deixa nada pra depois

Não adianta mais gritar eu não consigo lhe ouvir
Você tem os meus sapatos mas eu já estou longe daqui
Nada que possamos impedir

É bom que eu me lembre antes que você esqueça
Eu lhe dei meu coração mas você quis minha cabeça
Nada que a gente não mereça

E ao contrário do desejo como o avesso de nós dois
O tempo nunca volta nem deixa nada pra depois

Nenhuma Conexão

(Marcelo Nova)

Tudo está indo na direção errada
Doutor disse “Calma filho, isso não é nada”
Que vai receitar uma outra injeção
E que é só uma fase de transição

Mas eu não faço nenhuma conexão
Pois tudo o que eu quero fazer
É beijar e deitar e ficar com você

Os vizinhos reclamam quando eles se deitam
Mas eu nem sei do que é que eles suspeitam
Se bebo, se eu como, se fumo, se eu cheiro
Ou se faço solo dentro do banheiro

Mas eu não faço nenhuma conexão
Pois tudo o que eu quero fazer
É beijar e deitar e ficar com você

Pois tudo o que eu quero fazer
É beijar e deitar e ficar com você

Os “home” vieram a fim de me pegar
Com certeza foi sua mãe que quis me entregar
Armaram na sala o maior “fuzuê”
Mijaram na mesa e quebraram o CD

Mas eu não faço nenhuma conexão
Pois tudo o que eu quero fazer
É beijar e deitar e ficar com você

Mas eu não faço nenhuma conexão
Pois tudo o que eu quero fazer
É beijar e deitar e ficar com você

Um Bonde Chamado Desejo

(Marcelo Nova)

Sou tão velho quanto as montanhas
E os tiranossauros que ainda hoje se digladiam em minha mente
Conheço os fantasmas que assustam o meu cérebro
Gemendo e arrastando pesadas correntes

Enquanto o grande medo, careca, desdentado e ancião
Imprime suas digitais no lado mais escuro da minha razão

Mas quando eu passo, eu penso e vejo
Ainda tantos lugares vazios
Neste bonde chamado desejo

Eu vi um magarefe sujo do açougue imundo
Lavar com o sangue das costelas do boi
As costeletas da face e as escadas do fundo

Sei da freira que num abrir e fechar de pernas
Pede o perdão de Cristo para cada gesto e risco
Que ela apenas pensou em correr

Nas drogas que consomem, nas noites que perdemos
Nos verões que prometiam, nas palavras que caluniam
Nos olhares que insinuam, nas pessoas que silenciam

Mas quando eu passo, eu penso e vejo
Ainda tantos lugares vazios
Neste bonde chamado desejo

Mas quando eu passo, eu penso e vejo
Ainda tantos lugares vazios
Neste bonde chamado desejo

Tromba De Elefante

(Marcelo Nova)

Não quero comandar nenhuma revolução
Nem ser rebelde de butique pra fazer malcriação
E Deus me livre dessa vanguarda que logo entrega a retaguarda
Pro primeiro Zé que aparecer

Hoje até o instinto é tão programado
Que eu fico transtornado perguntando se já posso lhe beijar
Mas se eu resolver ficar calado por uma nova estratégia de mercado
Pode ser que jamais eu vá lhe faturar

Pois cada cabeça falante
Tem sua própria tromba de elefante
Pra lembrá-la de sempre olhar pro chão
E como a burrice é crônica
E a mídia eletrônica
Raciocínio só por falta de opção

E dá-lhe aeróbica na academia
Você vira a noite, passa o dia só fazendo flexão
Mas quer ficar malhada pra dançar lambada
E essa vidinha besta desgraçada parece não ter prazo pra acabar

Me disseram que eu tomasse mais cuidado
Com pessoas do meu lado querendo me derrubar
Mas no jogo dos ratos, malandro é o gato que pega pelo rabo e vai comer no mato
E depois você ainda tem que ouvir o bicho arrotar

Pois cada cabeça falante
Tem sua própria tromba de elefante
Pra lembrá-la de sempre olhar pro chão
E como a burrice é crônica
E a mídia eletrônica
Raciocínio só por falta de opção

Pois cada cabeça falante
Tem sua própria tromba de elefante
Pra lembrá-la de sempre olhar pro chão, pro chão, pro chão
E como a burrice é crônica
E a mídia eletrônica
Raciocínio só por falta de opção
Raciocínio só por falta de opção, baby

Derrapando Na Curva Do Mundo

(Marcelo Nova)

Na estrada o rock n’ roll tocando e a garota do meu lado perguntando
Se eu estava apaixonado e se era pra valer

Eu disse: “Come on over baby
Já que estamos derrapando nesta curva no meio do mundo
Nada é tão profundo que não se possa tentar”

A outra que estava no volante
Com um decote exuberante
Me pediu autógrafo e achou muito estranho eu não querer fumar

A vida fluía como um bólido, uma challenger
Pronta pra explodir no ar
A vida fluía como um bólido
Pronto pra explodir no ar

A cada milha que passava
O olho do sol se arregalava me provocando
E Roy Orbinson cantando “California Blues”

Tudo em alta velocidade, era sex and drugs and impunidade
Just talk a walk on the wild side
Mas como só tenho nove vidas duas são muitas pra eu perder

Mas pela janela do momento o mundo rodou em fragmentos
Eu fechei os olhos e capotei sem direção
Como poeira no vento

A vida fluía como um bólido, uma challenger
Pronta pra explodir no ar
A vida fluía como um bólido
Pronto pra explodir no ar

Caí num terreno baldio, eu senti meu corpo tão vazio
Olhei em volta, procurando encontrar
A cara de Deus

Knock, knock, knockin’ on heaven’s door
Knock, knock, knockin’ on heaven’s door

Quando um Deus gordo e de bigode estilo “comigo-ninguém-pode”
Desceu do caminhão e falou
“Rapaz você podia esta no céu!”

Eu disse: então se aqui é o inferno, traga a guitarra e o meu terno
E ande depressa
Pois hoje ainda tem show pra fazer

A vida fluía como um bólido, uma challenger
Pronta pra explodir no ar
A vida fluía como um bólido
Pronto pra explodir no ar

A vida fluía como um bólido, uma challenger
Pronta pra explodir no ar
A vida fluía como um bólido
Pronto pra explodir no ar

Estranho No Ninho

(Marcelo Nova)

A cada passo que dei
Apaguei as pegadas
Pra que nem eu soubesse
Como fazer pra voltar

Que a trilha do desafio
Nunca chegasse ao fim
E agora todo esse esforço
Parece estranho pra mim

Alguns amigos da estrada
Já não correm comigo
Seus sonhos e seus segredos
Já não correm perigo

Cruzes plantadas no chão
São as flores deste jardim
A morte exibe suas formas
Tão estranhas pra mim

Houve um tempo em que eu
Lhe conhecia inteira
E não havia poeira
Que eu não pudesse soprar

Mas ainda não sei
Como ficamos assim
Até a cor dos seus olhos
Hoje é estranha pra mim

As vezes penso que fiz
Alguma coisa importante
Que vai mudar num instante
O que sempre foi igual

Sinto que é a saída
Do que eu não estava a fim
Mas é somente a chegada
De algo estranho pra mim

Pessoas ficam me olhando
Com um sorriso estampado
Outras gritam e apontam
Erguendo o punho cerrado

Pensam saber da minha vida
Se sou bom ou ruim
Tantas mãos acenando
Todas estranhas pra mim

Drake’s Boogie

(Marcelo Nova)

Instrumental

O Último Pôr Do Sol

(Marcelo Nova)

Eu disse mãos ao alto baby
Com a minha pistola em sua boca
Eu disse mãos ao alto baby
Com a minha pistola em sua boca
A distância não é muita
E a vontade não é pouca

Você sentiu meu páreo é duro
Antes mesmo de eu sacar
Você sentiu meu páreo é duro
Antes mesmo de eu sacar
E não será por covardia, baby
Se pelas costas eu lhe acertar

Eu vou fazer como os cowboys
O duelo é antes do sol se pôr
Eu vou fazer como os cowboys, baby
O duelo é antes do sol se pôr
Um só tiro entre suas pernas
Fulminante e indolor

Eu disse mãos ao alto baby
Com a minha pistola em sua boca
Eu disse mãos ao alto baby
Com a minha pistola em sua boca
A distância não é muita
E a vontade não é pouca

Coração Satânico // Marcelo Nova - A Sessão Sem Fim
  1. Coração Satânico // Marcelo Nova - A Sessão Sem Fim
  2. Faça A Coisa Certa // Marcelo Nova - A Sessão Sem Fim
  3. A Garota Da Motocicleta // Marcelo Nova - A Sessão Sem Fim
  4. Nenhuma Conexão // Marcelo Nova - A Sessão Sem Fim
  5. Um Bonde Chamado Desejo // Marcelo Nova - A Sessão Sem Fim
  6. Tromba De Elefante // Marcelo Nova - A Sessão Sem Fim
  7. Derrapando Na Curva Do Mundo // Marcelo Nova - A Sessão Sem Fim
  8. Estranho No Ninho // Marcelo Nova - A Sessão Sem Fim
  9. Drake’s Boogie // Marcelo Nova - A Sessão Sem Fim
  10. O Último Pôr Do Sol // Marcelo Nova - A Sessão Sem Fim